quarta-feira, 7 de maio de 2014

O EREGEO-SUL EM CURITIBA

O EREGEO-SUL EM CURITIBA
Desde o segundo EREGEO em 2008, ocorrido em Florianópolis, os estudantes de Geografia da UFPR e particularmente o CAGEO estiveram presentes e atuantes nas ações da regional Sul. O Centro Acadêmico de Geografia da UFPR esteve presente em diversos conselhos e em todos os encontros ocorridos desde então (Porto Alegre/RS, Ponta Grossa/PR, Chapecó/SC e Santa Maria/RS), participando ativamente da construção destes espaços.
No ano de 2014, de acordo com a decisão da Plenária Final do VI EREGEO em Santa Maria/RS, o VII EREGEO–Sul acontecerá em Curitiba, capital do estado do Paraná. Com uma ampla delegação no evento de 2013, os estudantes da UFPR acordaram em construir a próxima edição do evento como escola sede, compreendendo que a conjuntura local seria favorável e poderia contribuir com o movimento estudantil da Geografia em escala regional.

A CIDADE DE CURITIBA
            A combinação de duas palavras da língua tupi: Ku’ri, que significa pinheiro, e tüba, que quer dizer muito, abundante, descreve a paisagem vegetativa do Primeiro Planalto paranaense, unidade geomorfológica na qual a cidade se localiza. Ela está a aproximadamente 75 Km do litoral, contando com fáceis acessos rodoviários, que atravessam o obstáculo geomorfológico da Serra do Mar Paranaense. A cidade tem influencia também do ambiente imediatamente associado da Serra do Mar e de sua Mata Atlântica, mas originalmente era em sua maior parte composta por campos. O clima também sofre bastante influencia serrana e litorânea, ao que se soma o fator da altitude, resultando no clima Cfb de Curitiba, com estações bem marcadas, e o verão considerado tradicionalmente como ameno, mas que nos últimos anos tem contrariado essa lógica. Durante o encontro a previsão é de as mínimas fiquem por volta dos 10ºC e a máxima por volta dos 17-20ºC, com pouca chuva.

Com uma população de 1.848.943 habitantes em 2010 (IBGE), constitui-se no município mais populoso da Região Sul. No entanto, dentro do contexto da dinâmica urbana da cidade não podem ser esquecidas as cidades da Região Metropolitana, cuja população é quase equivalente a de Curitiba, e mantêm em sua maioria estreitas relações, principalmente de trabalho, com a capital. Historicamente colonizada por negros, eslavos e europeus, Curitiba e sua evolução estrutural estão bastante associados a essa mistura cultural. O tropeirismo foi um dos fatores importantes na impulsão para que a antiga vila de Nossa Senhora da Luz se transformasse em núcleo urbano. As relações comerciais sempre tiveram grande importância para a cidade. Mais um aspecto que historicamente construiu a projeção de Curitiba foi o estabelecimento na cidade de grande parte da elite agrária latifundiária do estado, que aos poucos moldou a estrutura fundamental da cidade a seus gostos e padrões culturais, educacionais, etc. Tem grande relação com isso a centralização do poder político do Estado em Curitiba, que apesar de ser pontual concentra até hoje membros cujas famílias tem raízes históricas ligadas ao latifúndio. Ao longo do tempo, estes fatores evoluíram em direção à formulação de políticas para uma cultura de planejamento urbano bastante tecnificada, mas também bastante impositiva e acima de tudo excludente. Principalmente desde os anos 1990 este ideário reservou a uma pequena parcela da população espaços privilegiados, que extrapolados para todos o espaço urbano deram à cidade os títulos ilusórios de “cidade modelo”, “cidade verde”, “capital social”, “capital ambiental” entre outros. Isto será bastante significativo nas discussões do encontro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário