PROGRAMAÇÃO

CRONOGRAMA



*CONVERSA 1: Neo extrativismo, desenvolvimentismo e conflitos territoriais.
A intenção desta conversa é tratar dos conflitos de territorialidades, buscando a racionalidade moderna de apropriação e mercantilização dos territórios, juntamente com a herança colonial no espaço e as resistências dos povos em suas territorialidades ecopolíticas.

Mediador: Dilermando Cattaneo
Possui graduação (2000), mestrado (2004) e doutorado (2012) em Geografia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Atualmente é professor do Departamento Interdisciplinar, no Campus Litoral Norte da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. É ainda membro do Núcleo de Estudos Geografia e Ambiente (NEGA/UFRGS), do Núcleo de Estudos Território, Ambiente e Paisagem (NETAP/UFFS) e do Grupo de Pesquisa Anticapitalismos e Sociabilidades Emergentes (GPASE/UFFS). Tem experiência na área de Geografia, com ênfase nas questões teóricas e metodológicas da Geografia, atuando principalmente nos seguintes temas: epistemologia da Geografia, epistemologia ambiental, gestão territorial, questão ambiental, análise territorial, populações em áreas protegidas, autonomia territorial e Geografia da questão indígena.

*CONVERSA 2: R-existir nas Escolas. Educação em debate.
Ter por objetivo, através desta conversa, discutir a permanência estudantil, a reforma do ensino médio e a desescolarização.

Mediação: ocupantes secundaristas e universitárias-as, colegas que vivem na prática o ser professor(a).

*CONVERSA 3: O cárcere como face da opressão.

Mediação: Marcelli Cipriani (cientista social e advogada), Onir Araújo (advogado, e militante da frente quilombola/RS), comitê pela liberdade de Rafael Braga

Marcelli Cipriani: Mestranda em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), com bolsa de estudo da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Bacharela em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS, 2010 – 2017, Título: Territorialidades do Tráfico de drogas: as “facções criminais” entre a prisão e a favela). Bacharela em Direito pela PUCRS (2010 –  2016, Título: Do Global ao Local: a emergência das “Facções Criminais” no Brasil e suas manifestações em Porto Alegre). Integrante do Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas de Segurança e Administração da Justiça Penal (GPESC - PUCRS).

Onir Araújo: Advocacia na área trabalhista defendendo empregados e sindicatos, bem como, na área do Direito Étnico na defesa de Comunidades Quilombolas e na defesa das Políticas Afirmativas e contra a Discriminação Racial em seus diversos aspectos.

*CAMPOS
Opção 1: Gentrificação da região do 4º distrito de PoA
Com vistas às futuras “revitalizações” na região que dá entrada à Porto Alegre (Nova ponte do Guaíba, realocação da rodoviária, que são medidas do PAC, entre outros projetos), a intenção é demonstrar como isso afetará a vida de quem mora na região da zona norte porto alegrense, que antigamente servia como polo industrial da cidade.
Mediador: Rafael Braga, geógrafo (DAGE-UFRGS)
Transporte: Público (Passagem ida e volta no ônibus T8: R$8,10 – Não está incluso na Inscrição)
Opção 2: Trilha no Morro Santana com os Kaingang
A proposta deste campo é uma trilha que sobe o Morro Santana pela face leste, onde está instalado o Campus do Vale e de onde os Kaingang vivem e retiram seu sustento, enquanto lutam pela demarcação de suas terras no interior do estado. Seria feita uma conversa sobre o r-existir indígena no contexto urbano e político brasileiro.
Mediação: Cacique João e Iracema.
Transporte: a pezito, saída do DAGE (Aconselhamos: trazer aparatos de trilha média ou avançada - tênis, água, repelente, e protetor solar)
Observação: A família pede a doação de alimentos não perecíveis em troca dos saberes. Portanto é por conta do inscrito a responsabilidade de levar um alimento não perecível.

Opção 3: Eco-Trilha-Literária no Morro Santana com o Coletivo Visão Periférica
No mesmo morro, subimos a face oeste com o Coletivo Visão Periférica, formado por moradoras e moradores que mantém uma Biblioteca Comunitária e organizam trilhas bimestrais abertas ao público, entre outras frentes de resistência. A proposta desta vez é ouvir da comunidade da Vila das Laranjeiras e outras do bairro Morro Santana como estas se organizam cultural e politicamente na periferia da cidade.
Mediação: Em haver.
Transporte: Público, no ônibus T10 (ida e volta R$ 8,10 – Não está incluso na inscrição) + trilha dificultada pelo terreno (Aconselhamos: trazer aparatos de trilha média ou avançada - tênis, água, repelente, e protetor solar)
Observação: O coletivo aceita doações de lanche para as crianças na Biblioteca, como BOLACHAS, FRUTAS, ACHOCOLATADO e LEITE, bem como ALIMENTOS NÃO PERECÍVEIS para as refeições comunitárias, além de materiais e ferramentas de construção para a criação do novo espaço da biblioteca. A doação, pelo participante do campo, é opcional.

Opção 4: Ocupações Urbanas em poa (Ocupação de Mulheres Mirabal e Assentamento Utopia e Luta):
Percurso pelas ocupações urbanas do centro da cidade de Porto Alegre, onde a primeira ainda é irregular e a segunda tem 12 anos de regularização, onde a primeira é da linha Leninista e a segunda Anarquista-cooperativista. (Confirmar com as organizações suas motivações ideológicas)
Transporte: Público (R$ 8,10 ida e volta – Não está incluso na inscrição) + caminhada leve no centro

Opção 5: Museu de Percurso do Negro em Porto Alegre
O Museu de Percurso do Negro em Porto Alegre é um projeto que busca visibilizar a comunidade afrobrasileira com a instalação de obras de arte em espaços públicos da cidade. o percurso evoca a presença, a memória, o protagonismo social e cultural dos africanos e descendentes no Centro Histórico da cidade de Porto Alegre, como no Cais do Porto e antigos Ancoradouros; no Mercado Público e seu entorno; no Largo da Quitanda (Praça da Alfândega); no Pelourinho (Igreja das Dores); no Largo da Forca (Praça Brigadeiro Sampaio) e Esquina do Zaire (Av. Borges de Medeiros com Rua da Praia). 
Mediação: Em haver.   
Transporte: Público (R$ 8,10 ida e volta – Não está incluso na inscrição) + caminhada média no centro

Opção 6: Vila boa esperança
Comunidade que sofreu um pedido de reintegração de posse pela UFRGS
Mediação: Em haver.
Transporte: Não precisa. Deslocamento a pé até o local. (Aconselhamos: aparatos de caminhada leve – tênis protetor solar e água)

Opção 7: Oficina de QGIS
Oficina de QuantumGIS, software livre de sistemas de informações geográficas.
Mediação: Eder ou Rafael (a confirmar)
Transporte: Não precisa. Oficina será ministrada no Campus.

*GEO NA RUA
Mutirão: Vila Boa Esperança ou Visão Periférica ou Vila Tijuca

*GT: Eixos Temáticos

Aberto para inscrição de exposição de assuntos de pesquisa/interesse individuais ou coletivos, em eixos temáticos, que acontecerão juntos ou separados conforme demanda.

As inscrições de trabalhos poderão ser realizadas junto com o formulário de inscrição para o 9°EREGEO-SUL.